quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

ENTÃO É NATAL!!!! (???)

Texto gentilmente cedido a Meus Rascunhus por Lúcio Marques Estudante de Teologia, escritor

Canta a Simone: Então é Natal! Aliás, um certo Natal, já é visível, e que nem o Carnaval já excede o próprio feriado e portanto se estende, se estende... Ainda estamos no inicio de dezembro e já o comércio, as ruas tão feiosamente decoradas (também há aqui uma semelhança ao menos na nossa JF com o carnaval, observe-se o antigo prédio da prefeitura onde pululam uns “anjos” que mais parecem uns assustadores arranjos de escola de samba, gargoyles pesadas, enfim toda a mídia...tudo vai incitando aos lucros e levando ao consumo histérico.

Enquanto isso Papai Noel, o intruso, vai roubando a festa, o que afinal é perdoável, posto que como ninguém sabe o dia que Cristo nasceu ao certo e a data foi fixada sobre uma antiga festa pagã a substituição pelo bom velhinho não se trata pois de uma exata heresia. Tudo ouquêi, tudo uáu...tudo yuhúu...tudo como convém aos nossos tempos de compre,compre e compre....

Decerto Papai Noel não nos dá nada a não ser se calhar um vermelho natalino na conta bancária para quem entra no seu clima. Clima esse, aliás, de chuvas, em que passa-se pelas ruas abarrotadas de gente por entre egóicos e impiedosos guarda-chuvas que nos ameaçam arrancar os nossos olhos todo o tempo.

Uma experiência interessante é o ir a um shopping nesses dias com uma Bíblia.
Sentar na praça de alimentação e observar os olhares dos passantes. Haverão uns que o olharão com desdém, tipo assim: “Então você é mais um fanático que acredita nisso ai?”

Outros olharão com uma curiosidade indisfarçada, são os que ainda pensam que versículo é um poeminha, que epistolas eram as esposas dos apóstolos, e que levariam uns 10,15 minutos para achar o livro dos Êxodos, que não se espantam com um Papai Noel barbudo pois até pensam que Deus é um velhote barbudo também.

Só que este sisudo.

Se você estiver á vontade, com roupas de verão, ficarão perdidos posto que estão acostumados a relacionarem Bíblias com pastores e evangélicos vestidos a rigor nos sábados, domingos...conforme seja-lhes o dia a ser santificado nas suas denominações.

Uns passarão ao largo e nem vão notá-lo, outros abrirão suas sacolas e mostrarão ostensivamente um best seller, um livro de auto ajuda, um hit editorial da temporada numa espécie de competição de gosto literáriio em que mudamente, mas acintosamente o acusarão de old fashioned.

Ora vejamos, a Bíblia é resultante de um vocábulo grego: biblion (rolo, livro), substantivo plural, foi traduzida para o grego na versão Septuaginta, por cerca de setenta sábios, para o Latim por São Jerônimo, na sua Vulgata, e depois o seria em qualquer idioma que se possa imaginar. Já vendeu 6 bilhões de cópias, o que a coloca de longe, sete vezes á frente do segundo colocado no ranking, É uma biblioteca completa, mesmo nas suas diferentes aceitações.

Os católicos consideram a Bíblia divina contendo 46 livros no Antigo Testamento, para alguns protestantes seriam 39. Os ortodoxos ainda incluem 2 livros de Esdras, 2 de Macabeus e a Oração de Manassés, prolongando ainda o livro dos Salmos. O Novo Testamento tem unaminidade, são 27 os livros.
Para os apartamentos em que hoje se vive em que não há lugar para uma Biblioteca ela é em si um livro único, contém toda uma Biblioteca. Aconselho-a na sala!

Ora direis, mas e os outros livros? Se fores do tipo que cultuas Os Miseráveis, Guerra e Paz, Dom Quixote, a Divina Comédia, essas estupendas obras humanas certamente abririas mão de qualquer coisa para tê-los junto de ti, logo a estupenda obra divina terá seu espaço junto aos outros livros, mas se fores do tipo que olha de esguelha para quem lê a Bíblia e ostentas, por exemplo, um Como enriquecer em um mês, Como ser chique em cruzeiros marítimos ou coisa assim por decerto confundes Natal com a capital do Rio Grande do Norte e Papai Noel com premio Nobel. Aliás, sabias que o bom velhinho tem origens na hagiografia de São Nicolau, arcebispo de Mira na Turquia, que solidário a quem tinha dificuldades financeiras deixava moedas de ouro nas chaminés? Se calhar convém invocá-lo para garantir o seu tender, o salaminho, o gorgonzola, o Black label, o pro secco, as caixas de Skol, ou sabe Deus o que quiseres ter á mesa nessa festa.

Na Grécia o velhinho é cultuado em janeiro e retoma os passos de São Basílio de Cesaréia. Igualmente bonzinho e invocável para as suas compras no shopping não estourarem o seu cartão de crédito num milagre premeditado.

Fato é que devemos a figura desse Santa Klaus aos americanos,não, não pelo consumo, já me explico: é que um caricaturista do século XIX, Thomas Nast, resolveu desenhá-lo assim rechonchudo, barrigudo, sempre com uma roupa vermelha,gorro e cinturão, mangas e luvas brancas...ao lado de uns elfos mágicos e renas voadoras, todos a serviço da substituição de Cristo nessa data. Mas afinal alguém tem se lembrado de Jesus, as condições humildes em que nasceu. Nessa festa novamente pagã Jesus é devidamente lembrado?

Proponho então que os que pensam como eu invadam as praças de alimentação dos xópins com as suas Bíblias. Vamos fazer uma revolução em prol da deportação do Papai Noel que seguirá com o seu consumismo e o seu saco farto, abarrotado de bugigangas, das frutas importadas caríssimas que nem condizem com nosso clima, e de tudo aquilo que ofusque a memória do nascimento do Emanuel, o Deus menino.

E que a ele se eleve o espírito de todos nesse dia com a humildade de uma manjedoura, em Hosanas, adoração. E que os promotores do Natal do consumo alcancem o pólo norte em permanentes férias. Doravante dezembro será o tempo de se ter uma Bíblia onde quer que se vá, quem sabe com o tempo Jesus volta a ser lembrado no Natal? Comecemos oferecendo Bíblias por aí...

Lá nem sequer diz que Jesus nasceu em dezembro, o que reforça a adoração simbólica no Natal. Natal é alusivo a nascimento, é bom lembrar.
Convenhamos: será que Jesus aprovaria esse frisson de consumo, os natais excludentes pela condição sócio-econômica de tamanhas diferenças, esse culto a Papai Noel? Ora, ora!

Então se pudermos sejamos bons Noéis, ofereçamos umas férias generosas para os que o esqueceram mandando-lhes diretos para o pólo norte, sem escalas, a CVC financiará a nossa generosidade, então é só começarmos. Portanto, mãos a obra! O Natal agradece. Que renasça o Natal! Sejamos bons fiéis.


Um comentário:

Anônimo disse...

UE', COHELET, TEM RAZAO.
TUDO E' VAIDADE.
SAIBA VC QUE SAO TOMAZ DE AQUINO VIA NO CONTRADITORIO, A CONFIRMACAO DE SUAS REFLEXOES.

COMO ALGUEM QUE DIZ QUE NAO DISCUTE AS OPINIOES COM ANONIMOS.

MEU NOME E' JOSE CLAUDIO.
ANONIMO PQ NAO USO CONTA DO GOOGLE.