terça-feira, 20 de agosto de 2013

Palavra

A palavra pode ganhar corpo, ela se encarna no nosso dia a dia. É por isso que falamos: pode ser uma palavra cheia (de sentido), mas pode ser uma palavra vazia. Pode ser uma palavra longa ou curta. Poderá ser uma palavra pesada (de opressão) ou pesada (de medida). Ele mediu as palavras. Pode ser uma palavra leve. Doce ou amarga. Pode ser uma palavra dura. Pode ser alegre, pode ser triste. A literatura brinca com a palavra quando usa expressões como essas: ela morre nos lábios, ou na garganta. Pode ser mastigada, entrecortada. A palavra pode ser perdida e na hora em que mais precisamos dela podemos não encontrá-la. Além de tudo isso, ainda se pode colocar a palavra na boca de outra pessoa ou tirá-la de lá. A palavra pode ser a última, mas pode também ser a primeira. A palavra pode ser boa, a palavra pode ser má. Pode ser refinada como ouro ou bruta como a pedra que não foi polida. Ela pode ser semeada e pode, também, ser colhida. A palavra ainda tem característica imitativa e de onomatopeia: atchim, tiquetaque, chuá-chuá, zumzum.

Nenhum comentário: