quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Bíblia e Media


O filósofo alemão Walter Benjamim, nos anos 30 do século passado escreveu um ensaio importante sobre a obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. No pensamento dele, a fotografia e o cinema apareciam como elementos importantíssimos e norteadores do comportamento e do modo como o ser humano poderia ser visto e poderia ver o mundo.

Esse desenvolvimento técnico iria trazer uma nova possibilidade que Benjamim classificou como a passagem da mão ao olho, isto é, o que antes tocava o fazer com as mãos como o desenho e as obras de arte em nível de pinturas e outras práticas passam, agora, para a lente de uma câmera.

Percebo, também, que a própria imprensa contribuiu para um passo importante no crescimento da humanidade. Embora o livro não esteja na gênese da formação humana, ele é de suma importância no decorrer dos séculos e da história. Em outras palavras, a humanidade não dependeu do livro para sua formação. Basta lembrarmos da tradição oral.

Mas o livro está indo para o espaço, para o ciberespaço. Os Cristãos que somos uma das religiões do livro vivemos agora um momento onde a Palavra de Jesus nos chega por meio de hipertextos dos quais não sabemos a origem, a tradução ou a idoneidade de quem os colocou na rede. Se você digita a palavra BIBLIA no São Google, aparecem 48 milhões de ocorrências. Se você digita ESTUDO BIBLICO, aparece um milhão e 30 mil ocorrências. A noção de Bíblia como Palavra de Deus carece de uma profunda reflexão em nossos cursos de hermenêutica em tempos de internet.

Os antigos manuscritos estão na rede, acessíveis a todos que podem estar online. É um contraste profundo. Nem nos sonhos mais surreais de um monge do Nome da Rosa essa possibilidade existiria: um manuscrito do século III em alta definição numa tela de 40 polegadas. Algumas questões: a confusão da tecnicidade com as respostas aos problemas humanos! A tecnologia não pode somente ditar o espaço, mas carece de uma reflexão sobre ele. A incidência do pensamento tecnológico no meio religioso e a análise de seus impactos.


Nenhum comentário: