sábado, 6 de junho de 2009

Minha aventura com ela


Foi assim. Naquela noite eu estava no ônibus. Uma noite fria. Mesmo assim o motorista tinha o ar condicionado desregulado, ele também estava frio. Frio como a noite fria. A certa altura da estrada o ônibus parou, a porta se abriu. De fora entrou um vento, também frio, e com ele ela entrou. Veio poltrona por poltrona como que procurando alguém. Não era bela, mas muito insinuante. Não tinha os olhos mais bonitos, mas muito sedutora. Eu não acreditava, imaginava que nunca se sentaria perto de mim. Estava enganado. Quando me viu, seus olhos brilharam. Aproximou-se e sentou-se ao meu lado. Senti o sangue ferver, um pouco de suor escorreu da minha fronte no calor frio da noite e da sua presença. Foi se acomodando ao meu lado, me olhando interessada. Tentei dizer alguma coisa, mas tinha a garganta ressecada como a areia do deserto. Ao seu contato, meu corpo estremeceu-se, quase que senti o peito doer. A respiração tornou-se ofegante, a minha e a dela. Silêncio no ônibus, era noite, só eu e ela a nos ver. Eu a sentia, invadia meu corpo inteiro, sentia-me desfalecer naquele espasmo de encontro. Ela sentia mais prazer que eu, aproveitava-se de mim. Ainda hoje, depois de duas semanas, estou lutando pra me livrar dessa gripe!

3 comentários:

Bala Salgada disse...

Hahahahaha. Estava achando tão romântico.

Obrigada, isso incentiva bastante viu.

Saudades daqui.

Ah, estou inserindo seu link em "Parceiros Salgados", beijos!

Deyse Ribas disse...

Essa foi muito boa!! rsrsrs
Posso apenas te desejar melhoras...
abracos
deyse

Anônimo disse...

Logo desconfiei...pois, pela descriçao não poderia ser ELA...
Digo:a minha é mais carrapicho. Tou com ela mais de 30 dias...
Gostei, seu humor, tipo inglês está se aperfeiçoando...Abç e até...Jaayme